Mais Forte que o Mundo: A História de José Aldo (2016)

Padrão

Mais Forte que o Mundo - A História de José AldoRecentemente, revi o brutal Guerreiro com a minha esposa. Além de ter gostado muito do filme, que mostra a trajetória sangrenta de dois irmãos dentro de um campeonato de MMA, eu queria entrar no clima para a estreia do Mais Forte que o Mundo: A História de José Aldo. Grande foi a minha surpresa quando, no término da sessão, olhei para o lado e vi que minha mulher estava chorando. Depois de quase duas horas e meia de pancadaria extrema, ela disse que ficou emocionada com a história do Tommy, personagem interpretado pelo Tom Hardy. “Coitado, ele transformou-se numa pessoa muita sozinha!”, ela disse. Achei graça da situação e brinquei com o fato de ela, num filme de ação, deixar-se envolver mais pelo drama do que pelas cenas de luta.

É lógico que a vida, essa senhora cruel e infalível, não tardou a me punir pela minha insensibilidade rs

De Mais Forte que o Mundo, eu esperava um filme violento que mostrasse a trajetória do brazuca José Aldo até o momento em que ele sagrou-se campeão na categoria Peso Pena do UFC. Vi isso, tudo muitíssimo bem executado graças à criatividade do diretor Afonso Poyart (o mesmo do divertido 2 Coelhos), mas o que me tocou mesmo foi a relação de amor e ódio do lutador com o pai. Paguei língua bem rápido, mas foi bom: tal qual deve ser, saí do cinema inspirado pelo que assisti.

No lugar de utilizar uma narrativa linear que mostrasse Aldo (José Loreto) nascendo, crescendo e desenvolvendo, pouco a pouco, a fúria interna que marcou suas apresentações dentro do octógono, Poyart optou por começar já colocando o público em contato direto com um adolescente que, marcado pelas tristezas da vida, estava doido para quebrar algumas costelas. Dirigindo um carro velho em alta velocidade pela zona pobre de Manaus, Aldo e os amigos batiam com pedaços de madeira nos pedestres que eles encontravam pelo caminho, assim, sem mais nem menos, só pra escutar o barulho do tombo. O “porquê” dessa barbaridade vem na sequência, não para justificar o ato, mas para jogar um pouco de luz na história de um homem que fez-se entender principalmente pelo uso da violência.

Mais Forte que o Mundo - A História de José Aldo - Cena 3Seu José (Jackson Antunes), o pai de Aldo, foi um desses pais de família desastrosos. Machista, alcoólatra e dono de um temperamento explosivo, ele maltratava os filhos e batia na esposa, Rosilene (Claudia Ohana). Criado em um lar pobre que era constantemente destroçado pela bebida e pela violência doméstica, Aldo interiorizou uma série de frustrações e transformou-se em uma pessoa bruta e impaciente. É como se, incapaz de resolver definitivamente os problemas de sua casa (o que implicaria num confronto direto com o pai), ele canalizasse toda sua raiva nos adversários que fazia dentro e fora dos ringues. Nisso, correndo o risco de transformar-se, tal qual o pai, em um animal descontrolado, Aldo passa a enfrentar a si mesmo na luta mais difícil de sua vida.

Acredito que eu também teria gostado de Mais Forte que o Mundo caso ele focasse somente na pancadaria: antes de perder o cinturão para o Connor McGregor, o Aldo realizou lutas espetaculares cuja simples reprodução no formato cinematográfico seriam suficientes para me entreter. Não é das cenas de luta, porém, que me recordarei quando pensar neste filme. Os socos e chutes estão brutais e empolgantes (talvez o Poyart pudesse ter economizado um pouco no slow motion), mas o que mexeu comigo de verdade foi o esforço que o lutador fez para ser, tal qual o título sugere, alguém mais forte do que o mundo no qual ele foi concebido e criado.

Mais Forte que o Mundo - A História de José Aldo - CenaMeu pai é bem parecido com o Seu José. Nunca saí por aí batendo em ninguém para descontar as raivas que ele me fez passar antes e depois de separar-se da minha mãe, mas eu sei bem como é a confusão mental de você sentir o sangue ferver de ódio de alguém que você, na verdade, deveria amar. O que percebi ao longo dos anos e que vi reproduzido com bastante sensibilidade neste filme é que, por mais difícil que seja, a gente precisa aprender a perdoar o mal que estas pessoas nos fizeram. É nisto, e não na reprodução da violência física ou psicológica que recebemos, que reside a verdadeira força. No fim, Aldo conseguiu transformar o pai em um modelo a ser superado e isso mostrou-lhe o caminho até a vitória (o que Poyart ilustra muitíssimo bem com a animação da jiboia e do boi). Espero que, um dia, eu também consiga fazer o mesmo.

Mais Forte que o Mundo - A História de José Aldo - Cena 4A seu favor, Mais Forte que o Mundo conta ainda com uma trilha sonora marcante (a execução da Everybody Wants To Rule The World, cover da Lorde para o clássico do Tears for Fears, é um dos grandes momentos da trama), uma narrativa complexa que consegue misturar momentos mais psicológicos (a luta de Aldo contra seu ‘duplo’ vivido pelo Romulo Neto), com humor (Tem que quebrar os playboys!) e romance (Deus preserve a saúde da Cleo Pires!) e, claro, as boas cenas de treinamento e luta esperadas da cinebiografia de um lutador. Nesse sentido, o confronto contra o Hominick pode até ser o ápice em termos de testosterona do filme, mas legal mesmo é a porrada que rola dentro de um bar entre Aldo e 3 brutamontes que mexeram com sua futura namorada: o Scarface (a origem do apelido e da cicatriz são explicadas no longa) destrói o lugar inteiro enquanto aplica alguns golpes poderosos nos caras.

Diverti-me e fiquei emocionado com o que vi: pra mim, tal qual o lutador brasileiro foi capaz de enfrentar e vencer vários estrangeiros, o nacional Mais Forte que o Mundo também disputa em pé de igualdade com produções hollywoodianas e vale o ingresso. Torço agora para que, no próximo dia sábado (09/07), o Aldo consiga recuperar o cinturão contra o Frankie Edgar.

Mais Forte que o Mundo - A História de José Aldo - Cena 2

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s