Capitão América: Guerra Civil (2016)

Padrão

Capitão América - Guerra CivilAntes de contar-lhes como voltei a ser criança assistindo esse novo épico da Marvel, compartilho uma informação que acredito ser de utilidade pública:

  • Como dar “tranco” em uma moto caso a bateria descarregar: 1) suba na moto 2) segure a embreagem 3) coloque a segunda marcha 4) embale a moto e, tão logo ela ganhe velocidade 5) solte a embreagem e acelere.

O que? Vocês já sabiam como fazer isso? Pois é, amigos, aparentemente eu era o único homem desse mundão velho que não conhecia esse truque demoníaco e, por esse motivo, perdi a estreia do Guerra Civil. O lance foi mais ou menos o seguinte: comprei ingresso para assistir o filme na semana passada, na madrugada de quarta (27) para quinta (28), na sessão das 00:01. Grande foi a minha frustração quando, as 23:30, descobri que a bateria da minha moto havia descarregado. Ainda tentei dar partida nela (uma Yamaha Fazer) durante uns 20 min mas, como eu não conhecia o processo citado acima, tive que render-me a minha própria ignorância e ir dormir poucos minutos depois amaldiçoando-me por perder os ingressos de forma tão boba.

Todo caso, troquei a bateria, comprei novas entradas e, finalmente, consegui assistir o filme no sábado, dia 30. Fiquei tão feliz com o que vi que, enquanto a sessão durou, esqueci que havia um mundo lá fora onde motos só pegam na base do tranco. Para ir direto ao ponto, Guerra Civil é o melhor filme da Marvel feito até agora e, para falar sobre ele, utilizarei alguns SPOILERS, ok?

Capitão América - Guerra Civil - CenaHá uma espécie de consenso entre os fãs de quadrinho de que “a DC é séria e a Marvel é divertida”. Ainda que essa seja uma ideia passível de relativização (mesmo não sendo um grande leitor de HQ’s, sei que a Liga da Justiça já passou por uma fase bastante escrachada e que muitos temas sociais já foram discutidos nas páginas dos X-Men), não podemos negar que ela descreve bem as investidas cinematográficas das duas empresas: o tom de filmes como O Homem de Aço e Homem Formiga, por exemplo, são completamente diferentes.

Levando isso em consideração, fiquei imediatamente curioso para saber como a Marvel adaptaria para as telas os eventos obscuros da HQ Guerra Civil. A “Lei de Registro de Super-Heróis” e os temas que ela evoca (tais como responsabilidade civil e censura), bem como a morte de personagens importantes, não são o tipo de material que a gente consegue imaginar lado a lado com cenas de humor, certo?

Capitão América - Guerra Civil - Cena 4Felizmente, ainda há diretores que conseguem misturar elementos tão díspares e fazer com que cada um deles receba a devida atenção. Anthony e Joe, os Irmãos Russo, já haviam mostrado do que eram capazes no O Soldado Invernal. Corriqueiramente apontado como uma das melhores adaptações da Marvel até então, o filme conseguiu transmitir toda a tensão de uma história de espionagem repleta de traições e reviravoltas sem abrir mão de piadas pontuais, como quando o Capitão (Chris Evans) deixava o Falcão (Anthony Mackie) comendo poeira na corrida. Os diretores nos deram lutas muitíssimo bem coreografadas em que os personagens corriam risco real de morte nas mãos do Soldado Invernal (Sebastian Stan) e reviraram as entranhas da S.H.I.E.L.D., mas isso não os impediu de nos fazer dar boas risadas durante o processo. Não era exatamente isso que Guerra Civil precisava?

Capitão América - Guerra Civil - Cena 5A sinopse: Comandados pelo Capitão, os Vingadores Falcão, Feiticeira Escarlate (Elizabeth Olsen) e Viúva Negra (Scarlett Johansson) vão até a Nigéria para impedir que o vilão Ossos Cruzados (Frank Grillo) roube e espalhe um vírus mortal. Durante o confronto, Wanda utiliza seus poderes psíquicos para proteger o Capitão do que seria a morte certa mas acaba destruindo um prédio e matando vários civis. Esse acidente, somado as destruições anteriores provocadas pela ação dos Vingadores (Nova York, Washington e Sokovia), fazem com que o governo proponha uma Lei de Registro de Super-Heróis, de modo que as intervenções da equipe deixem de ser arbitrárias e passem a ser reguladas e comandas por órgãos do Estado. A proposta é aceita pelo Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), Máquina de Guerra (Don Cheadle), Visão (Paul Bettany) e Viúva Negra, mas o Capitão, Falcão e Feiticeira Escarlate negam-se a assinar. A divergência sobre o tema provoca um racha na equipe e, após um atentado a uma embaixada da ONU que é atribuído ao Soldado Invernal, os heróis entram em rota de colisão.

Capitão América - Guerra Civil - Cena 6Quem acompanhou as informações que foram divulgadas antes do lançamento certamente estava ansioso pela aparição do Pantera Negra (Chadwick Boseman) e pelo debut do Homem Aranha (Tom Holland) no MCU (o Marvel Cinematic Universe, ou Universo Cinematográfico Marvel). Os dois momentos são mágicos, com o Pantera (que eu conheci recentemente assistindo o desenho Os Vingadores – Os Super-Heróis Mais Poderosos da Terra que está disponível no Netflix) mostrando-se um homem sábio e letal com sua armadura de vibranium e o Homem Aranha representando cada um de nós com sua empolgação e admiração pelos outros heróis, mas há muito mais por aqui do que a simples adição de personagens que o público ama.

Capitão América - Guerra Civil - Cena 2O tema central de Guerra Civil é o tipo de coisa que rende uma boa discussão e os diretores souberam balancear os dois lados da questão. Ao meu ver, os argumentos podem ser divididos da seguinte forma:

  • Tony Stark (Homem de Ferro): Caras maus existem e sempre existirão. Como a tentativa de conter esse mal antes que ele prejudique alguém falhou miseravelmente no Era de Ultron, Tony não quer mais carregar sozinhos nas costas a culpa pela morte de inocentes. Traumatizado pelo relato de uma mãe que perdeu um filho em Sokovia, ele prefere transferir a responsabilidade dos atos dele para o governo. A opinião do personagem, mesmo que emocionalmente contaminada, evoca a confiança nas instituições governamentais e na busca pela legalidade, mas desconsidera que mesmo essas instituições podem cometer erros.
  • Steve Rogers (Capitão América): O mal do mundo precisa ser enfrentado diariamente e quem tem o poder para tal deve assumir a responsabilidade de liderar a luta e ser forte o suficiente para lidar com os inevitáveis reveses do processo. O Capitão acredita que a ideologia dos Vingadores de tornar o mundo um lugar melhor e mais seguro não pode curvar-se diante dos danos colaterais que as ações deles provocam. O “bem maior” pelo qual ele luta, porém, mostra-se uma ideia passível de corrupção quando ele permite que assuntos pessoais (a amizade dele pelo Bucky) interfiram em seu julgamento.

Em momentos alternados da trama, damos razão tanto para o Tony quanto para o Capitão e isso mostra a grandeza do roteiro, que consegue mostrar de forma bastante didática que sempre há mais de um ponto de vista sobre qualquer questão.

Capitão América - Guerra Civil - Cena 3Esse tema “sério” é trabalhado pelos Irmãos Russo da forma como deve ser, com cenas mais lentas, diálogos bem elaborados e lutas brutais pintadas de sangue (o Soldado Invernal continua MUITO violento), mas isso não atrapalha em nada a reprodução da fórmula “piadas + cenas de ação espetaculares” que fizeram a fama da Marvel nos cinemas. A cena da batalha no aeroporto, com todo mundo batendo, todo mundo apanhando, o Homem Formiga (Paul Rudd) voando agarrado na flecha do Gavião Arqueiro (Jeremy Renner) e o Homem Aranha fazendo piada do Star Wars é candidata a melhor cena de ação dos últimos anos. A gente ri e fica empolgado, tudo ao mesmo tempo, e só não grita de emoção porque, ao contrário das crianças, nós temos essa péssima mania de nos preocuparmos com a opinião dos outros. Todo caso, ali no meu cantinho, experimentei uma forte sensação de nostalgia e lembrei-me de quando eu era pequeno e ficava sentado na frente da TV vendo desenho, sinal definitivo de que o filme havia conquistado meu coração.

As 2 cenas pós-crédito de Guerra Civil revelam as intenções da Marvel de concentrar-se agora no Pantera Negra e no Homem Aranha. Considerando tudo que vi aqui, só tenho motivos para continuar sentindo-me feliz por estar vivo e com dinheiro para continuar frequentando o cinema em um período onde tudo aquilo que eu gostava quando criança está sendo transformado em filmes de altíssima qualidade. Obrigado, Marvel!

BÔNUS ROUND: Para terminar, um vídeo cuja “vibe” resume perfeitamente o meu sentimento após sair do cinema: DESCUBRA!

Capitão América - Guerra Civil - Cena 7

Anúncios

»

  1. Pingback: Esquadrão Suicida (2016) | Já viu esse?

  2. Pingback: Doutor Estranho (2016) | Já viu esse?

  3. Pingback: Rogue One: Uma História Star Wars (2016) | Já viu esse?

  4. Pingback: Silêncio (2016) | Já viu esse?

  5. Pingback: Mulher Maravilha (2017) | Já viu esse?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s