Batman vs Superman: A Origem da Justiça (2016)

Padrão

Batman vs Superman - A Origem da JustiçaAssisti Batman vs Superman: A Origem da Justiça na pré-estreia, dia 23/03, numa sessão praticamente lotada do Cinépolis. Cheguei, peguei meu óculos 3D e sentei lá no alto, no cantinho da fileira L. Mesmo não sendo um dos melhores lugares para visualizar a tela (as cadeiras parecem terem sido posicionadas para casais que só querem dar uns amassos), fiquei satisfeito por ter conseguido comprar os ingressos e presenciar em primeira mão uma das produções mais aguardadas de 2016.

Duas horas e meia depois, saí do cinema satisfeito com o que vi e, força do hábito, acessei sites especializados em cinema e quadrinhos para checar as reações do público e de outros críticos. Grande foi a minha surpresa quando percebi que muitas pessoas não só tinham reprovado o filme como já apressavam-se em sepultá-lo, dando como certo o seu fracasso comercial e apontando-o como forte candidato a maior decepção do ano. Os “argumentos” utilizados foram coisas do tipo “têm muitas referências aos quadrinhos”, “o Ben Affleck está horrível como Batman”, “o filme é longo demais”, “o Apocalypse e o Lex Luthor não são fiéis as HQ’s”, etc, etc, etc. Disseram, também, que “não é bom porque as produções da Marvel são melhores e mais divertidas”. Neste resenha “isentona”, tentarei deixar de lado toda essa passionalidade e fanatismo e concentrar-me apenas naquilo que vi: ainda que Batman vs Superman mereça sim algumas críticas, no geral ele é divertidão e entrega tudo aquilo que os trailers prometeram. O texto conterá SPOILERS, então só leia se você não importar-se com revelações sobre o roteiro ou se você já tiver assistido. De qualquer forma, veja, a opinião de nenhuma crítico substituirá as suas próprias impressões 🙂

Batman vs Superman - A Origem da Justiça - Cena 5O primeiro ponto que precisa ser comentado é a vastidão do material que o diretor Zack Snyder trabalhou aqui. Enquanto a Marvel lançou 6 filmes (2 do Homem de Ferro, 2 do Hulk, 1 do Thor e 1 do Capitão América) antes de reunir os Vingadores, a DC Comics optou por abrir caminho para a versão cinematográfica da Liga da Justiça tendo como referência apenas O Homem de Aço de 2013. Devido a isso, acredito que todo mundo que viu os trailers e/ou leu matérias sobre a produção antes do lançamento ficou preocupado com a quantidade de informações que Batman vs Superman teria que dar conta. Minimamente, este filme deveria 1) contar a origem do Batman (Ben Affleck), 2) ser uma continuação para o Superman (Henry Cavill), 3) trazer uma história onde a Mulher Maravilha (Gal Gadot) recebesse a devida atenção, 4) incluir referências aos futuros longas do Aquaman (Jason Momoa) e do Flash (Ezra Miller) e, não menos importante, 5) valorizar vilões importantes, como o Apocalypse e o Lex Luthor (Jesse Eisenberg) e 6) plantar elementos para continuações. É muita coisa. Independente do resultado, é preciso reconhecer que a aposta do estúdio (que talvez tenha acelerado o processo por recear perder o bom momento para filmes de super heróis) não foi das melhores.

Batman vs Superman - A Origem da Justiça - CenaCom uma bomba dessas nas mãos, o Zack Snyder e seus roteiristas tiveram que desenvolver um formato diferente de narrativa daquele que estamos acostumados a ver em produções do gênero. Assim sendo, Batman vs Superman conta sim a origem do Batman, mostrando o assassinato de seus pais e as motivações que levaram-no a lutar contra o crime, mas o faz de forma parcial. Vemos o menino Bruce caindo em um buraco cheio de morcegos e pronto, lá está ele já adulto e barbado, com um histórico de 20 anos de lutas contra o crime pra contar. Ao que tudo indica, esse longo espaço de tempo será aproveitado no próximo filme do herói, mas por ora resta ao público apenas comprar a ideia de que o personagem já passou por maus bocados (perder o Robin, enfrentar o Coringa e o Charada) antes de confrontar-se com o Azulão. O “problema” dessa abordagem é que ela praticamente obriga que o próximo filme do homem morcego seja uma prequência, ou seja, dificuldades à vista para que o Ben Affleck consiga conectar a história com o longa da Liga da Justiça.

Batman vs Superman - A Origem da Justiça - Cena 6O mesmo raciocínio vale para a Mulher Maravilha. O filme solo dela, que já está em fase final de produção, provavelmente mostrará eventos anteriores aos que podem serem vistos em Batman vs Superman. Por esse motivo, ela é inserida na história sem muitas explicações ou apresentações (sabemos que ela está procurando uma foto rs) e, mesmo que ela roube a cena na luta contra o Apocalypse (na sessão que fui, o pessoal bateu palmas para a entrada triunfal dela, com aquela música tribal HIPER legal tocando ao fundo), a verdade é que a personagem pouco ou nada acrescenta ao roteiro. Flash e Aquaman, por outro lado, fazem apenas rápidas (e promissoras) aparições e poderão, em seus respectivos longas, fazerem links diretos com A Liga da Justiça. Já o Ciborgue, que eu sinceramente não conhecia, não deve ganhar um longa próprio.

O único que saiu lucrando foi o Superman. O núcleo de personagens do O Homem de Aço (que reúne os atores Amy Adams, Laurence Fishburne e Diana Lane) foi mantido e a mitologia do herói foi ampliada com a adição do Lex Luthor, que opõe-se a condição “divina” do Superman e elabora uma tramoia para colocar o governo e o Batman contra o personagem. Não endosso as críticas que estão sendo feitas ao Jesse Eisenberg. Ao meu ver, a interpretação caótica dele casou bem com o dilema do Luthor, que demonstra frustração por sua inteligência elevada não ser o suficiente para garantir-lhe os mesmos poderes e veneração de seu rival.

Batman vs Superman - A Origem da Justiça - Cena 2Feitas essas considerações sobre cada um dos personagens e deixado claro que considero um erro reunir tantos elementos/heróis em um filme só, tiro mais uma vez o meu chapéu para o Zack Snyder. É difícil pensar sobre os problemas estruturais de Batman vs Superman enquanto você está lá, dentro da sala do cinema. O longa, que tem 2h30min, mistura muito bem diálogos e cenas de ação e o talento do diretor para criar imagens impactantes e para conduzir sequências grandiosas e memoráveis de pancadaria continua afiado. Não é difícil ouvir o Lex Luthor e o Batman falando sobre a ambiguidade da condição do Superman porque o texto é muito bom, repleto de citações a outras obras da literatura. Não é difícil ver os sonhos e pesadelos do Bruce Wayne sobre sua infância porque o diretor consegue dar uma visão poética para essas cenas, coisas como mostrar o menino erguendo-se no meio de morcegos com uma música dramática ou focar objetos simbólicos para as cenas (as flores para o enterro, as pérolas do colar materno). Conforme dito, há lacunas na história de alguns personagens, mas o que foi feito ficou muito bom.

Batman vs Superman - A Origem da Justiça - Cena 3Também não é difícil ficar empolgado com as cenas de ação. Ao meu ver, o Snyder é sim um diretor visionário nesse sentido e aqui ele entrega outro excelente trabalho, com cenas bastante variadas (perseguições de carro, combates individuais e em grupo) e bem filmadas. Eu queria que a luta contra o Apocalypse tivesse durado um pouco mais e que o cenário onde ela acontece fosse um pouco menos clichê (já estou cansado daquelas ruínas com céu avermelhado), mas todo o resto é muito bom. Reparem no quanto o diretor conseguiu dar personalidade, por assim dizer, para o estilo de luta de cada um dos heróis. O Batman, que sabe estar enfrentando seres superiores, apoia-se na tecnologia e no treinamento físico para fazer frente a seus inimigos. Ele consegue ser brutal na luta contra o Superman (gostei demais de ele golpear o cara com uma pia rs), letal contra a escória de Gotham e esperto para ficar escondido na luta contra o monstro (que, aliás, tem um visual horrível e genérico). A Mulher Maravilha, com suas habilidades épicas de batalha, sua espada, escudo, braceletes e laço, é 100% ataque e atitude, ela não hesita nenhum segundo antes de partir para cima dos vilões, o que é muito bom tanto pela quebra do estereótipo da “mulher indefesa” quanto pela selvageria que introduz nas cenas. Por último, o Superman continua absoluto, mas o seu senso de dever continua impedindo-o de utilizar plenamente os seus poderes, o que dá um contraste interessante para o personagem.

Batman vs Superman - A Origem da Justiça - Cena 4Batman vs Superman pode até não ser o filme “definitivo” de super heróis (como muita gente chegou a acreditar quando as primeiras informações sobre ele apareceram), mas definitivamente ele não merece toda a campanha de difamação que está sendo feita. Se o que vi me deixa um pouco preocupado com os próximos passos cinematográficos da DC Comics, também não posso deixar de ficar empolgado com tudo o que pode vir caso os erros vistos aqui sejam corrigidos (tenho muita fé, por exemplo, no filme do Aquaman). O material é muito bom. Continuo admirando o trabalho do Snyder e ansioso por novos lançamentos de filmes de super heróis, ainda não cansei do gênero.

Batman vs Superman - A Origem da Justiça - Cena 7

Anúncios

»

  1. Já estou cansada de toda vez que estreia um filme de super herói ter essa dualidade entre quadrinho / filme. Não leio quadrinho e adoro os filmes, sim sou como a maioria do público que vai ao cinema. Nerds aproveitem o filme como vcs aproveitam os quadrinhos, cada um com a sua expecificidade.
    Gostei do seu texto se ater ao filme que eu amei, pq adoro ver brigas por ego e os super heróis liberando seu lado sombrio.

  2. Pingback: Esquadrão Suicida (2016) | Já viu esse?

  3. Pingback: Doutor Estranho (2016) | Já viu esse?

  4. Pingback: Mulher Maravilha (2017) | Já viu esse?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s