Missão: Impossível – Nação Secreta (2015)

Padrão

Missão Impossível - Nação SecretaObservem o poster ao lado. Ali está o Tom Cruise, um senhor de 53 anos de idade, dependurado do lado de fora de um Airbus A400M decolando. Essa cena, que pode ser vista logo na abertura do Nação Secreta, novo e quinto filme da franquia Missão Impossível, é digna de toda a minha admiração enquanto cinéfilo. Acontece que, contrariando o que é massivamente praticado no cinema de ação atual (efeitos especiais, dublês e edição frenética), o ator optou por realizar ele mesmo a impressionante e perigosa sequência de decolagem, ou seja, o que você está vendo ali é REALMENTE o Tom Cruise com o cabelo e as bochechas balançando a 5000 pés de altitute. Ok, consta que ele estava amarrado em cabos que foram removidos digitalmente na pós-produção, mas nem por isso deixa de ser inspirador ver que o cara não se deixou acomodar pelo sucesso e ainda procura viver e oferecer novas experiências com seus trabalhos.

Exibida a execução dessa “missão impossível” da vida real, Nação Secreta divide-se em dois blocos distintos, com pegadas narrativas bem diferentes, para mostrar a IMF (Impossible Mission Force) sendo dissolvida graças aos esforços do chefe da CIA Alan Hunley (Alec Baldwin) e como, posteriormente, Ethan Hunt (Cruise) e sua equipe enfrentaram a organização conhecida como Sindicato para reconquistarem a legalidade e a confiança do governo.

Quem viu o trailer deve lembrar-se principalmente da cena da decolagem e da sequência em que Hunt mergulha, sem poder levar nenhum oxigênio extra, em uma gigantesca e modernosa fortaleza subaquática. A primeira metade de Nação Secreta traz ainda uma perseguição de motos em altíssima velocidade e um ato grandioso filmado durante uma opera na Áustria, ou seja, há aqui pelo menos quatro oportunidades para o público divertir-se com as peripécias de Hunt, Brandt (Jeremy Renner) e Benji (Simon Pegg). A ressalva que faço a esse trabalho do diretor Christopher McQuarrie refere-se a distribuição dessas cenas de ação ao longo do filme. Concentradas no início, elas deixam a parte final da trama excessivamente cadenciada e até mesmo monótona perto do que fora exibido até então.

Missão Impossível - Nação Secreta - Cena 3Como não quero ser injusto com o filme, devo confessar algo antes de prosseguir. Assisti Nação Secreta em uma sessão noturna da última sexta, 14/08. Naquele dia, além de acordar cedíssimo para resolver algumas pendências, passei a tarde toda sentado em uma uma sala participando de uma reunião no serviço. Quando cheguei no cinema, portanto, o sono estava me castigando. No começo, não precisei me esforçar muito para ficar acordado. McQuarrie abre o longa com tudo colocando seu principal astro para interceptar uma carga de armas nucleares em um avião e, pouco tempo depois, já mostra-o esgueirando-se através dos bastidores de uma ópera para evitar o assassinato do chanceler austríaco. A carga de diálogos é mínima, o vilão Solomon Lane interpretado pelo ator Sean Harris oferece um desafio à altura das habilidades de Hunt e as cenas de ação bem coreografadas, aliadas a uma edição de som caprichada (vale a pena prestar atenção nas músicas e nos efeitos sonoros), levam a gente “para dentro” do filme. Nem bocejei.

Missão Impossível - Nação Secreta - Cena 2Em seguida, já na companhia da delicinha Ilsa Faust (Rebecca Ferguson), os personagens precisam encontrar um jeito para invadir a tal fortaleza subaquática enquanto fogem do governo e tentam vencer o tal Sindicato. Aqui as coisas começaram a complicar pra mim. O pulo de Hunt dentro do tanque submerso e tudo que ele realiza lá dentro para desarmar um alarme traz aquela combinação perfeita de ação e suspense típica da série e, após a peripécia, ainda podemos ver o personagem em uma sempre funcional e divertida sequência de perseguição de motos, mas, entre uma cena e outra, os diálogos e as piadas nem sempre funcionais do Simon Pegg vão ganhando mais e mais tempo na tela e foi aí que o peso das minhas pálpebras começou a aumentar exponencialmente.

Missão Impossível - Nação Secreta - Cena 4Nação Secreta tem aproximadamente 2h10min e tudo o que eu lhes disse sobre ele até agora deve estar contido, no máximo, dentro dos primeiros 90min de projeção. Se as minhas contas estiverem certas, os últimos 40 min do filme são compostos basicamente por conversas e um desfecho “espertinho”. Terminada a cena das motos, o diretor praticamente dá por encerrada a parte de ação do filme e recorre ao suspense e uso de aparatos tecnológicos para encerrar a trama. Esses elementos de espionagem, parte fundamental do universo da série, não são tão divertidos quanto aqueles vistos, por exemplo, na invasão do Kremlin no Protocolo Fantasma, e o mistério envolvendo a personagem Ilsa Faust, arco de história que ocupa muito mais tempo do que deveria na tela, tem uma solução previsível e decepcionante. O último confronto entre Hunt e Solomon Lane é estiloso e recupera um pouco o ritmo da narrativa, mas, para chegar até ele, tive que manter-me acordado as custas de muita dor auto infligida através de beliscões na palma da mão. Assim sendo, recebi o fim do filme com a alegria de quem não precisava mais lutar contra o peso da própria cabeça que insistia em pender para os lados.

Missão Impossível - Nação Secreta - Cena 5Tenho certeza que, caso eu tivesse assistido Nação Secreta em um dia menos cansativo, eu poderia ter apreciado mais seus últimos minutos. Isso, porém, não muda a minha opinião de que o filme vai perdendo fôlego ao longo da projeção, de que o Jeremy Renner poderia ter participado mais da história e de que, ainda que trata-se de uma boa produção com uma cena épica digna de todos os elogios possíveis (sou seu fã, Tom Cruise), Nação Secreta é inferior a seu predecessor.

Missão Impossível - Nação Secreta - Cena

Anúncios

Uma resposta »

  1. Filme bom gostei da estoria e tudo mais o que me deixo espantando foi o tanto de tecnologia e “coisas impossível kkkkk ´´ que teve nesse filme o tanto de arte que nem mesmo o James bonde poderia fazer morreria logo ( 1 ) primeira coisa o apelo para tecnologia foi muito forte um livro vira um tablete sei la o que um computador algo Asim ( 2 ) Tom Cruise ( Ethan ) fica suspenso em um air buss pronto para ser arremessado ao longe pelas turbinas super forte kk nota comparado a 007 o James sempre vai ganha e surpreender com as tecnologia dele e os casos de risco dele o filme e bom mais não tente fazer isso em casa kkk

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s