A Fotografia Oculta de Vivian Maier (2013)

Padrão

A Fotografia Oculta de Vivian MaierAno passado, eu consegui assistir um dos documentários concorrentes ao Oscar antes da premiação, o estranhão O Ato de Matar, e esse ano achei por bem a repetir a dose. Li meio que por cima a sinopse de todos os indicados e escolhi esse A Fotografia Oculta de Vivian Maier. Segundo me pareceu, tratava-se do registro de uma tentativa de fazer justiça ao trabalho de uma fotógrafa misteriosa. Colocado dessa forma, o tema pode soar espinhoso para quem não nutre interesse por fotografia (eu mesmo só tiro fotos mal enquadradas com o celular rs), mas quem decidir ir além dessa primeira impressão pouco convidativa encontrará uma excelente análise do espírito artístico que há dentro de cada um de nós e daquilo que nos motiva a externá-lo ou não para o mundo.

John Maloof, diretor e idealizador desse projeto, comprou uma caixa repleta de negativos antigos em um leilão e começou a revelá-los. Logo ele percebeu que a qualidade das fotos, creditadas a desconhecida Vivian Maier, estava muito acima da média, sendo o material equiparável aquele feito por grandes profissionais do ramo. Por que, então, – ele perguntou-se – ninguém, nem mesmo o todo poderoso Google, conhece o nome e o trabalho dela? Movido por essa dúvida, John iniciou uma pesquisa que o colocou em contato com pessoas que conviveram com Vivian e foram fotografadas por ela. O resultado – surpreendente, diga-se de passagem – foi registrado em vídeo e pode ser conferido nesse documentário.

A Fotografia Oculta de Vivian Maier - Cena 5Logo de cara, John faz questão de nos provar que, se Vivian não é uma profissional reconhecida, certamente isso não deve-se a falta de talento. Enquanto apresenta-se e fala sobre seu projeto, o cineasta bombardeia a tela com fotos tiradas por ela e mesmo um leigo no assunto será capaz de reconhecer a qualidade e a beleza do material. É uma foto mais bonita do que a outra, todas muitíssimo bem enquadradas, com uma iluminação legal e, principalmente, retratando momentos singulares que somente o olhar de uma pessoa sensível e de gosto apurado seria capaz de captar. Após nos convencer de que possui uma causa justa nas mãos, John inicia então uma série de entrevistas com profissionais da fotografia, diretores de museus e conhecidos de Vivian para descobrir os prováveis motivos de sua obscuridade.

Tendo morrido distante da família, de amigos e apresentando sinais de demência, Vivian guardou todas os negativos das milhares fotos que tirou em uma caixa. O trabalho intelectual de toda uma vida, a arte que poderia tê-la transformado em uma pessoa conhecida e admirada, foi deixado ali, displicentemente no meio de um monte de tranqueiras e, não fosse alguém vasculhar o material, poderia ter ido parar no lixo e ter sido destruído para sempre. O mais chocante de tudo é que, pelo que pode ser entendido através das entrevistas, essa perda seria muito mais nossa, que não teríamos acesso as fotografias, do que de Vivian, que não realizou nenhum esforço para tornar-se famosa.

A Fotografia Oculta de Vivian Maier - Cena 4Os esforços de John, que descobre que a fotógrafa trabalhou a maior parte da vida como babá em vários lares americanos, revelam uma pessoa séria e extremamente fechada, uma mulher que parecia ter aversão a homens (não por ser homossexual, mas por um provável caso de abuso) e que gostava de cuidar de crianças. Nota-se, observando a maioria de seus registros, uma preferência por pessoas e cenários que evocam sentimentos de dó e desolação, o que nos leva a crer que a fotógrafa utilizou seus próprios demônios pessoais para moldar seu olhar artístico. Provavelmente, ao identificar-se com esses episódios de tristeza e miséria, Vivian realizava-se registrando-os com sua câmera e isso já bastava para deixá-la, digamos, um pouco mais feliz. Ela tirou todas aquelas fotos, portanto, para estar em contato com ela mesma, para concretizar a visão pessimista que ela tinha da vida, e não para lucrar com isso expondo seus sentimos mais íntimos para o mundo. Isso é algo que nem todo mundo é capaz de entender.

A Fotografia Oculta de Vivian Maier - Cena 3Por mais que recentemente eu tenha adquirido o domínio do blog visando ganhar alguns trocados com o AdSense e que, verdade seja dita, reconhecimento é algo bom, eu não escrevo tendo em vista lucrar ou ficar famoso. Como eu disse aqui, seria legal conseguir pagar uma cerveja com os meus textos e eu fico bastante feliz quando alguém elogia o que faço, mas a minha verdadeira felicidade é sentar na frente do computador e transformar em texto todas as divagações que inundam a minha cabeça. Aqui, comento os filmes, mas também falo da minha vida pessoal, dos meus sonhos, das minhas frustrações… como não é sempre que tenho oportunidade de conversar tão intimamente com alguém (já que sou desconfiado e acredito que ninguém tem saco para escutar os outros falando infinitamente sobre si mesmos), utilizo esse espaço para colocar várias coisas para fora e isso me faz bem. Já ouvi muita gente dizer que eu deveria investir no blog, encontrar um jeito de dar mais visibilidade para ele e lucrar com isso, e de repente essas pessoas até estejam certas, mas não quero transformar o meu principal cúmplice em uma simples ferramenta de trabalho. A taciturna Vivian Maier poderia ter sido mais feliz se tivesse tido sua obra reconhecida em vida? Talvez sim, talvez não, mas acredito que, ao utilizar seu tempo fazendo aquilo que gostava, ela conseguiu uma espécie de realização pessoal que definitivamente dinheiro algum poderia comprar. Se algum dia resolverem fazer um documentário sobre mim, espero que o diretor também entenda que, aqui no meu cantinho obscuro da internet e sem ganhar nenhum centavo até o o momento com isso, fui bem feliz conversando comigo mesmo e com a meia dúzia de gatos pingados que vez ou outra deixam algum comentário nos textos rs

A Fotografia Oculta de Vivian Maier - Cena 2A Fotografia Oculta de Vivian Maier acaba passando uma visão um tanto quanto triste da fotografa, que não deixou apenas boas memórias dentre aqueles que a conheceram e dispuseram-se a falar dela e terminou a vida sozinha em uma situação deveras degradante. Isso não é algo agradável de ser assistido, mas cumprimento o diretor pela coragem de mostrar o ser humano cheio de defeitos que existia por trás da artista talentosa. Maloof coloca ainda a questão ética que diz respeito a realização do documentário, já que com seu projeto ele expôs o trabalho de alguém que, aparentemente, não queria ser exposta. Também cumprimento-o pela iniciativa: Vivian muitas vezes exigiu cumplicidade de seus modelos ao registrar suas desgraças, nada mais justo do que agora ela também nos “permitir” olhar para suas belíssimas fotos em busca de inspiração e paralelos sentimentais.

Obs.: Todas as imagens que ilustram o texto são fotos feitas pela Vivian Maier.

Vivian Maier Self-Portrait

Anúncios

Uma resposta »

  1. Pingback: Mandariinid (2013) | Já viu esse?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s