Garota Exemplar (2014)

Padrão

Garota Exemplar Pobre Amy (Rosamund Pike). Quando criança, os pais usaram-na como base para criar a Amy Exemplar, personagem de uma série de livros infantis que conquistou as famílias americanas com seu bom comportamento. A Amy real, porém, ainda que fosse uma boa garotinha, não podia concorrer com sua correspondente fictícia repleta de virtudes e isso contribuiu significativamente para que ela, já adulta, transformasse-se em uma pessoa difícil de se relacionar. Amy tenta ser uma parceira perfeita (nas palavras dela, ‘aquela que sempre faz sexo oral, a que mantêm-se magra’), mas isso também faz com que ela cobre excessivamente os homens com os quais ela relaciona-se.

Pobre Nick Dunne (Ben Affleck). Em um curto espaço de tempo, ele perdeu a mãe e passou do papel de solteiro conquistador para o de marido desempregado. Para piorar a situação, Amy, sua esposa, desaparece misteriosamente e a polícia suspeita que ele seja o culpado. Nick parece ser mulherengo, um pouco acomodado e não demonstra, apesar da insistência da mulher, desejo de ser pai, mas isso não o torna um criminoso. Ou torna? Caso a resposta seja positiva, devemos nos compadecer diante da história de um homem que, atravessando o pior momento de sua vida, implodiu psicologicamente frente a pressão de uma mulher obcecada e cometeu um ato de loucura OU devemos condená-lo a injeção letal por ele ser um monstro insensível que livrou-se da esposa por ser incapaz de atendê-la naquilo que ela precisava? É realmente possível apontar culpados e inocentes com base em tão poucas informações?

David Fincher, toma aqui o meu aperto de mão efusivo, gesto de demonstração de respeito e admiração, pela forma incrivelmente madura que você discutiu relacionamentos em Garota Exemplar. Desgraçado que sou, deixei passar a oportunidade de vê-lo no cinema por qualquer motivo que agora só posso classificar como burrice mas, graças a indicação da atuação da Rosamund Pike ao Oscar de Melhor Atriz, voltei os meus olhos para ele e eu não poderia estar mais feliz por tê-lo feito. Assisti-o junto com a minha esposa e o que vimos nos fez varar madrugada a dentro discutindo (no bom sentido da palavra) animadamente sobre os personagens e as questões de gênero que eles evocam. É bem verdade que havíamos tomado um garrafa inteira de vinho antes, mas nem Dionísio nos faria conversar tanto caso o filme não fosse TÃO bom quanto ele é.

Garota Exemplar - Cena 2Quando começamos um relacionamento amoroso, desejamos que ele seja o melhor dentre todos os melhores que já existiram. Esforçamo-nos, perdoamos os defeitos do outro e escondemos os nossos, tudo isso para que possamos caminhar rumo ao utópico (mas possível, acreditamos) felizes para sempre. Prometemos, naquelas conversas oníricas do comecinho, que não seremos “o tipo de casal” que faz isso e aquilo. Seremos diferentes, maduros, fiéis, parceiros de crime de uma balada do Bon Jovi contra o mundo e sua forma chata e tediosa de se relacionar. Ai vem o tempo e… bem, lá estamos nós jantando em um restaurante qualquer, cada um sentado de um lado da mesa, reclamando do serviço, comentando o clima e falando sobre coisas banais. Onde o sonho acabou?

Quando Garota Exemplar começa, Fincher dá a entender que foi Nick quem abriu os olhos primeiro. Próximo a um aniversário de casamento, ele parece desanimado e conta para a irmã (Carrie Coon) que não preparou nada especial para comemorar a data com a esposa. Fincher recorre ainda a flashbacks para mostrar o personagem sentado tranquilamente no sofá jogando video game enquanto a esposa trabalha para sustentar a casa. Para reforçar ainda mais a aura santa ao redor de Amy, vemos que ela mudou-se de NY para uma cidade do interior, sem maiores questionamentos, só para ficar ao lado do marido e ajudá-lo a cuidar da mãe doente. Nessa altura, nem o mais misógino dos espectadores ousaria atribuir a culpa pelos problemas conjugais do casal à pobre Amy Exemplar.

Garota Exemplar - CenaEis que a personagem desaparece misteriosamente e Fincher começa a nos apresentar o outro lado da história. Nick chama a polícia, a casa é revistada, encontra-se evidências de um possível crime, perguntas são feitas, o caso é descoberto pela mídia e pronto, o circo sensacionalista está armado para destruir publicamente a imagem do personagem. Estranhei, inicialmente, a velocidade que os eventos acontecem nessa parte, mas agora acredito que entendi o motivo. No dia seguinte ao sumiço, os pais de Amy já criaram uma página na internet para receberem informações, deram uma entrevista coletiva e organizaram uma central em um galpão para coordenar as buscas. Esse processo, rápido, perfeito e metódico, reflete a forma como eles criaram a filha e, consequentemente, a forma como ela também aprendeu a lidar com o mundo. Quem seria capaz de atender as expectativas de alguém assim? Viver o tempo todo preocupando-se em não decepcionar o outro não é a própria definição de infelicidade?

Garota Exemplar elege um episódio deveras fantástico dentro de um relacionamento (desaparecimento) para mostrar algo que, na verdade, é muito mais simples e banal do que os jovens casais querem acreditar: não dá para conviver sem problemas e conflitos e, sempre que algo do tipo acontecer, é bem provável que os dois tiveram sua parcela de culpa. Todos temos nossos trabalhos, frustrações, expectativas exageradas, fraquezas de caráter e traumas de infância para lidar, e não é sempre que conseguimos deixar de direcionar isso para o conjugue, que é quem está mais próximo e acessível. Quando somos nós que explodimos, acusamos o outro de insensibilidade. Quando é o outro que o faz, alegamos que não temos nada a ver com aquilo. O importante, acredito, é que os dois, com os erros e acertos que lhe são próprios, trabalhem para encontrar uma solução, e que isso aconteça sem a interferência de terceiros.

Garota Exemplar - Cena 4Como Fincher prova bem no começo da trama, primeiro nos colocando do lado de Amy e depois apresentando-nos o ponto de vista de Nick, é difícil para quem está de fora ver os dois lados da moeda, o que frequentemente leva as pessoas a fazerem julgamentos superficiais e prepotentes sobre a vida alheia. A opinião pública é escrachada pelo diretor quando ele mostra o quanto o tom dos noticiários não tem compromisso com a verdade, já que ela muda de acordo com aquilo que lhes for conveniente. Os vizinhos e os advogados são mostrados em seu estereótipo mais puro, os primeiros como fomentadores de fofoca e os últimos como pessoas insensíveis que usam as desgraças alheias para lucrar. Isso tudo, ao meu ver, reforça o argumento central de que cada casal possui sua própria dinâmica e que ela diz respeito somente a eles, não há exemplos à serem seguidos e não há porque sujeitarmos o que temos à opinião dos outros nem julgarmos os relacionamentos de outrem.

Garota Exemplar - Cena 3Garota Exemplar é um suspense clássico cheio de reviravoltas, um desses filmes que fazem com que a gente tome partido de um ou outro personagem, quebre a cara, reveja nossos conceitos, quebre a cara novamente e, no final, já cansados de palpitarmos, simplesmente nos rendamos diante da complexidade da trama (e da vida) e de suas várias cenas marcantes, tanto visualmente (Amy e o bisturi) quanto emocionalmente (Nick perguntando-se sobre o que passa dentro da mente de Amy). Fincher foi muito feliz na escolha dos atores, visto que o Ben Afleck, tal qual seu personagem, não é lá muito bom em transmitir emoções, e que a Rosamund Pike, principalmente na segunda metade da trama, está deliciosamente perversa. Por último, mas não menos importante, Garota Exemplar nos dá a oportunidade de ver a belezinha Emily Ratajkowski (a ninfeta que aparece chupando indecentemente um pirulito no clip da Blurred Lines do Robin Thickle) nuazinha. Mesmo que fotos da mesma tenham rodado os submundos da internet no evento que ficou conhecido com The Fappening, nunca é demais ver um belo par de tetas balançando. E isso eu digo assim, com toda naturalidade do mundo, porque eu sei que a minha esposa lerá isso e não verá problema algum. O que poderia ser um escândalo para certas pessoas, felizmente, é algo perfeitamente normal para nós. Cada casal com suas regras ❤

Garota Exemplar - Cena 5

Anúncios

»

  1. Me lembrou vagamente “Instinto Selvagem”.
    A narrativa densa e cheia de reviravoltas. Além de mostrar (assim como em Instinto Selvagem) que as mulheres podem dominar “nós” os homens facilmente.

  2. Pingback: Como Agarrar um Milionário (1953) | Já viu esse?

  3. Filmão. demorei pra entender o final. O personagem de ben afleck é um bundão do começo ao fim do filme. Começa bundão e termina bundão. A atriz rouba a cena.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s