O Massacre da Serra Elétrica – O Retorno (1994)

Padrão

O Massacre da Serra Elétrica - O RetornoE com esse O Massacre da Serra Elétrica – O Retorno eu encerro os meus reviews sobre materiais já lançados do Leatherface e sua família de canibais. A intenção, inicialmente, era escrever ainda sobre o remake de 2003 e também sobre O Início, de 2006, mas, após ver essa pérola aqui, eu perdi completamente a vontade de assistir qualquer outro filme da série. Começarei os praguejamentos contando-lhes o penoso caminho que eu tive que percorrer para chegar até ele.

Quando postei o texto do O Massacre da Serra Elétrica 3, comentei sobre a dificuldade monstruosa que enfrentei para conseguir o arquivo. Nada melhorou quando procurei por esse O Retorno. Durante muito tempo, não houve absolutamente NENHUMA fonte para baixá-lo e, cansado de esperar, decidi passar para o próximo longa da série. Pulei o filme de 2003, que eu já havia assistido, e coloquei O Início para rodar. Cerca de 20min depois, percebi que eu também já conhecia ele. Como, em nome de todas as Estrelas de Aquário, tu vê um filme e simplesmente o esquece? Falta de memória? Loucura? Falta de personalidade/qualidade do que foi visto? Vastos e obscuros são os possíveis motivos para esse esquecimento e, na impossibilidade de explicá-lo, fiz a única coisa que estava ao meu alcance: ansioso por livrar-me da série, da qual eu já estava sinceramente cansado, realizei uma nova e desesperada procura pelo O Retorno no Google, coisa simples do tipo digitar o nome do filme + download no buscador. Adivinhem? Depois de uma infinidade de buscas infrutíferas, lá estava o dito cujo, bem na frente do meu nariz, esperando apenas um click para ser transferido para o meu computador e, consequentemente, para a minha vida. Cliquei, renovei os meus conceitos do quão ruim um filme pode ser e, quase duas semanas depois, cá estou eu distribuindo para vocês todo o amor que há dentro de mim.

O Massacre da Serra Elétrica - O Retorno - CenaAs séries de terror possuem, por assim dizer, um modus operandi que os diretores não ousam alterar quando propõe-se a conduzir um de seus episódios. Invariavelmente, o Jason sempre matará alguém nas proximidades de Crystal Lake (até quando ele foi para o espaço no X deram um jeito de fazer isso acontecer), Pinhead será evocado por algum desajustado social para usar seus ganchos e o Freddy aparecerá nos sonhos de alguém com sua musiquinha sinistra. No caso de O Massacre da Serra Elétrica, o que não dá para abrir mão é de alguma belezinha e seus amigos genéricos irem parar, por qualquer motivo que seja, na casa da família do Leatherface para serem trucidados. Por mais que a repetição do roteiro torne-se maçante para quem propõe-se a assistir todos os filmes da um franquia de terror, é necessário reconhecer que esses “esquemas”, de certa forma, ajudam a criar a identidade desses longas e estabelecer certos elos entre eles. Todo caso, no que diz respeito a esse O Retorno, o que fica patente é que o Sr. Kim Henkel, diretor e roteirista da produção, levou muito a sério a questão de que jovens, POR QUALQUER MOTIVO QUE SEJA, devem ir parar na casa dos canibais texanos. Observem.

Em uma noite de baile de formatura, uma fulaninha qualquer espera ansiosa por seu namorado. Como o sujeito não chega, ela vai procurá-lo na porta da festa e encontra-o beijando outra garota. Naturalmente, ela entra em um carro e acelera rumo a uma estrada deserta, escura e amedrontadora. O rapaz, arrependido ou não, corre atrás dela e consegue entrar dentro do veículo. Do nada, um outro casal surge no banco de trás e, pouco depois, o grupo envolve-se em um acidente de trânsito. A idéia de embrenhar-se no meio da mata e procurar ajuda em uma casa desconhecida, como até mesmo o mais inocente dos leitores deve desconfiar, não terá um final feliz.

O Massacre da Serra Elétrica - O Retorno - Cena 5Como eu não tenho certeza se consegui ser suficientemente irônico em um determinado trecho do parágrafo acima, inovo a escrita por aqui para fazer-me entender:

“Do nada, um outro casal surge no banco de trás”

É isso aí, caras, do nada. Tá, tu pode alegar que era dia de formatura e eles estavam lá fazendo aquilo que todo jovem sonha fazer nesses dias. É um bom palpite, mas nem todos os hormônios juvenis do mundo são capazes de justificar a mediocridade criativa por trás dessa idéia sem vergonha de reunir um grupo e colocá-lo rumo a serra do Leatherface. Devo dizer que, após os péssimos Parte 2 e 3, eu não esperava absolutamente NADA desse longa mas, diante de um começo tão ruim, eu já desisti dele ali mesmo. Seria ótimo escrever um texto falando que, depois dessa abertura medíocre, o diretor recupera-se e consegue surpreender, mas não é o caso.

O Massacre da Serra Elétrica - O Retorno - Cena 3O Retorno, que para os americanos foi vendido com um título ainda pior (A Próxima Geração), é uma tentativa desesperada de ganhar mais alguns trocados em cima do filme do Tobe Hopper de 1974, esse sim um clássico absoluto e inquestionável do gênero terror. Aqui, tu encontrará os canibais reeditados em versões moderninhas, o Leatherface matando alguém com uma marreta e depois dependurando-o em um gancho, a cena do jantar e, claro, no final, a heroína (interpretada pela Renée Zellweger em começo de carreira), fugindo e sendo perseguida pelo vilão que corre tanto quanto uma tartaruga. A única inovação, se é que dá para referir-se a ela dessa forma, diz respeito a exploração de um lado travesti do Leatherface, que Henkel nos apresenta usando máscara e roupas femininas, contrastando significativamente com a imagem do sujeito bruto penetrando as mocinhas com sua motosserra fálica dos longas anteriores. Reparem nas fotos como ele ficou parecido com a Meryl Streep rs

Antes de concluir, comento ainda outras duas bizarrices vistas aqui. O hoje oscarizado Matthew McConaughey, também em início de carreira, interpreta um sujeito que usa um maquinário na perna para poder andar. A cena que a mocinha rouba o controle que aciona o dispositivo e fica meio que brincando com a perna dele é, sei lá… indescritível. Vi poucas coisas piores na vida. A outra bizarrice diz respeito a conclusão: correndo assustada, desesperada e descabelada, a personagem da Renée vê seus perseguidores sendo atingidos por um avião monomotor que, tal qual ela havia feito no início, surge na trama DO NADA, assim, sem mais nem menos. Há aí, acredito, uma referência à uma cena clássica do Intriga Internacional, mas a sequência toda é conduzida de forma tão absurda que nem uma citação do Hitchcock consegue salvá-la.

O Massacre da Serra Elétrica - O Retorno - Cena 4Após assistir todos os longas da série, chego a triste conclusão de que O Massacre da Serra Elétrica deveria ter rendido apenas um filme. Por mais que haja coisas boas em algumas de suas sequências (como a camiseta branca da Jessica Biel no remake e a interpretação do R. Lee Ermey no O Início), nenhum filme conseguiu repetir o efeito realista e amedrontador do original. Esse O Retorno, além de ser uma das piores produções de terror que eu já tive o desprazer de ver, é apenas mais um motivo para entendermos o porque do Leatherface nunca ter chegado ao nível de popularidade entre os fãs do gênero gozado por Jason, Freddy e Pinhead. Despeço-me sem saudades da série e desse texto que, para piorar tudo, eu tive que escrever duas vezes devido a um acidente doméstico rs

O Massacre da Serra Elétrica - O Retorno - Cena 2

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s