Cherry, Harry & Raquel! (1970)

Padrão

Eu considerei seriamente se deveria escrever a resenha desse filme. Cherry, Harry & Raquel é um soft porn e, por mais que eu não tenha nada contra o estilo (muito pelo contrário rs), o foco do blog não é esse. Aliás, seria até engraçado resenhar um filme pornô: “O filme começa com um sujeito descolado e parrudo batendo na porta de uma casa qualquer. A porta é aberta e uma dona de casa em trajes mínimos revela ao visitante que o seu marido viajou. Após uma rápida troca de olhares, os dois começam a se beijar freneticamente. Não satisfeita, a dona de casa ajoelha-se na frente daquele inesperado visitante e o diretor da produção, em um close escandaloso, nos mostra que o maior poder da boca feminina não é o da fofoca.” Convenhamos, melhor não, né? No fim, decidi aceitar o desafio tanto pela possibilidade de fazer algo diferente quanto porque há uma história curiosa sobre esse filme que vale a pena ser contada.

Quando procurei Cherry, Harry & Raquel!, eu procurei “mulheres extremamente bonitas E peitudas, homens pervertidos, homens arruaceiros, mortes violentas e um cara honesto que mata os tarados, arruaceiros e pega uma (ou mais) peituda” fórmula que eu mesmo atribuí ao diretor Russ Meyer quando escrevi o texto do Motor Psycho. Feitas as devidas adaptações, até que encontramos todos esses elementos aqui, mas em Cherry… o que era apenas erótico torna-se explícito e muito disso deve-se, pelo que eu pesquisei, a uma tragédia ocorrida durante a edição do filme.

Harry

Como todo bom exploitation, o roteiro idealizado pelo Russ Meyer trazia um grupo de pessoas marginalizadas envolvidas com o crime e com a violência. O canastrão Harry (Charles Napier) é um xerife corrupto que recebe a missão de matar um  indígena que tem criado problemas para o tráfico de drogas. Harry contrata um mexicano para ajudá-lo na missão e, enquanto persegue o índio, ainda encontra tempo para um triângulo amoroso com gostosa bela Cherry (Linda Ashton) e com a loira Raquel (Larissa Ely). De uma forma totalmente irônica, o filme ainda condena o uso da maconha. É isso.

Não é lá um grande roteiro, mas não é muito longe daquilo que eu havia visto (e gostado) no já citado Motor Psycho e no Faster Pussycat! Kill! Kill!. Encontra-se aqui atrizes bonitas e seus generosos sutiãs nº50, personagens marrentos e suas frases de efeito, e muita, muita violência. A cena final, por exemplo, deixaria malucos por sangue como o Sam Peckinpah e o Tarantino orgulhosos. O diferencial que tornou esse filme mais “quente” do que os outros trabalhos do Meyer que eu conhecia são as cenas de nú frontal e, principalmente, a inclusão de imagens COMPLETAMENTE gratuitas de uma mulher totalmente nua entre uma cena e outra.

Cherry e Raquel

O que eu classifiquei como “gratuito” no parágrafo passado virou lenda. Conta-se que os rolos originais do filme pegaram fogo na sala de edição e, para preencher as partes destruídas, o Russ Meyer filmou uma peladona qualquer e introduziu as cenas nas lacunas deixadas. Anos depois, no entanto, a aparente “falta de sentido” de tais cenas foram atribuídas ao movimento surrealista que ganhou espaço no cinema norte americano nas décadas de 60/70 e o diretor passou a afirmar que a inclusão da peladona foi intencional. Especulações e curiosidades a parte, é uma bela de uma peladona!

Cherry, Harry & Raquel! é um filme que tu NUNCA deve assistir se não estiver sozinho em casa. É fato comprovado que nossas mães/vós sempre aparecem nas cenas picantes do filme e aqui, intencionalmente ou não, essas cenas dominam a 1h15min da história. Não é o melhor filme do diretor que eu assisti e, em tempos de internet, não justifica tu assistir só pela putaria, mas ainda assim temos bons personagens e uma índia nua deitada na areia. Isso é algo que a gente nã vê todos os dias.

Isso é um assunto muito polêmico…

Anúncios

»

  1. Para confirmar sua alegação. … estava eu na casa de minha vó … fui ler essa matéria e ela me pegou lendo, mas só teve olhos para as fotos que acompanham a matéria…

    Conclusão .. a véia me chamou de sem vergonha … Kkkkkkkk

  2. Quero assistir. Passa o download dele. Gostei muito do teu blog, o teu cantinho tá baãaum demais. Te espero no meu com um comentáriozinho e se você me seguir, te sigo de volta.

  3. Pingback: Cinzas no Paraíso (1978) | Já viu esse?

  4. Pingback: Up! (1976) | Já viu esse?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s