Anvil – The Story of Anvil (2008)

Padrão

A sabedoria popular diz que não há vencedores no Metal. Anvil – The Story of Anvil traz entrevistas com caras como Lars Ulrich (Metallica), Lemmy (Motorhead), Tom Araya (Slayer) e Scott Ian (Anthrax) para mostrar que é possível sim “vencer” na vida tocando Heavy Metal. No entanto, nas entrevistas eles abordam o outro lado da história e tentam entender o porque de uma outra banda, a canadense Anvil, não ter conseguido o mesmo sucesso.

Mesmo gostando bastante de Heavy Metal devo confessar que eu nunca tinha ouvido uma música sequer dos caras. Até onde deu para pegar pelas músicas que rolam durante o filme, eles misturam um pouco do Heavy Metal britânico de bandas como o Iron Maiden e um Thrash Metal próximo daquele tocado pelo Anthrax. O fato é que eles tiveram uma certa visibilidade no começo da carreira, chegando a tocar no Japão ao lado de bandas como Bon Jovi e Scorpions e depois caíram pouco a pouco no esquecimento.

O documentário mostra como os dois membros remanescentes daquela formação, Robb Reiner e Steve “Lips” Kudlow (respectivamente, baterista e vocalista/guitarrista), levam a vida tentando conciliar as responsabilidades de qualquer mortal e o sonho de voltarem a fazerem sucesso.

Em meio a todas as dificuldades, como desconfiança da família, shows vazios, falta de dinheiro, shows mal agenciados e falta de gravadora para lançar os CD’s novos, o amor por aquilo que eles fazem cresce, mesmo que tudo diga para eles desistirem. Em um determinado momento, o vocalista “Lips” diz que, por mais que ele saiba que a banda provavelmente não lhe dará retorno financeiro, ele continua por que aquilo é o que o torna feliz enquanto pessoa. O documentário não nega a necessidade do retorno financeiro, mas é extremamente feliz ao levar a mensagem de que, acima de tudo, é preciso procurar fazer coisas que te deixam feliz, não apenas buscar uma zona de conforto. Nesse ponto, ele deixa de ser indicado somente para fãs de Heavy Metal e passa a ser um exemplo para todos que querem realizar algum projeto onde o retorno esperado seja a satisfação pessoal, não o dinheiro. Gostei, ser feliz é o que conta 🙂

Anúncios

Uma resposta »

  1. Pingback: Hitchcock (2012) | Já viu esse?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s